Escrevendo Textos...: Dezembro 2011

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2001

Começou com um ano bem triste, perda de um amor, a realidade batia em minha porta dizendo que meu mundo mágico de universitária havia acabado, grandes amigos se foram e uma tristeza invadiu meus ser, era tanta dor na alma que acabou a ser dor física.

Parece um ano melancólico, mas foi o ano que eu mais amadureci e evolui, a dor me fez enxergar um universo diferente, velhos conceitos foram derrubados, encontrei-me com o espelho da verdade que me mostrou o meu verdadeiro EU, quem realmente habitava esse corpo, do que eu realmente gostava e não do que o mundo me fazia gostar e foi assim na dor que encontrei meu mundo, aceitei e amei a única pessoa que me pode realmente me fazer feliz... EU.

Também foi ano de vitórias, ano dos primeiros passos de grandes conquistas futuras, comecei a escrever meu livro na dor, foi o ano que mais li livros, ingressei na religião que me fez encontrar a paz, ganhei meu primeiro carro, comecei a fazer pós-graduação na Federal de meus sonhos, fui buscar conhecimentos em outras cidades o que me deixa motivada.

Engraçado mesmo foram as pessoas, o milagre de conviver e trocar experiências com nossos irmãos, o destino separou o joio do trigo, perdi grandes amigas que não eram tão grandes como eu pensava e ganhei novas, conheci uma pessoa especial que me fez ver que eu merecia muito mais do que eu pensava e que me mostrou o começo do que será meu mundo, fiz amizades com pessoas que fazem parte desse mundo que me fez sentir orgulhosa, pois sou diferente, mas esse diferente é justamente ser melhor do que as pessoas com quem eu vivia e achava um máximo, bem como a história do patinho feio.

Fico orgulhosa e muito satisfeita com as pessoas que eu ajudei, com palavras, gestos, ombro amigo e muito carinho e atenção, fiz a diferença na vida de uma pessoinha especial, passei meu conhecimento a diante, percebi que uma palavra amiga faz tanta diferença que tentei dar o máximo dela as pessoas que as buscavam em mim e por diversas vezes escutei a frases que me motivou a ser paz, amor e fraternidade: “Você traz paz!”

Não poderia deixar de escrever as barreiras mais difíceis de vencer, as dos sentimentos. Consegui neste ano vencer os meus medos, minhas angustias, meu egocentrismo, meu ciúme, meu desequilíbrio, meu orgulho e minha irritabilidade. Acho talvez que estes ou parte desses não exista mais.

Posso resumir esse ano de 2001, como o ano de lapidação, sempre fui uma jóia, mas não reconhecia meu valor e precisava de cortes e acertos para ter um novo brilho.

Acredito que 2012 se resuma nesta frase: “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã! 30:5” E depois de tanto choro, 2012 será a manhã tão esperada! Assim seja!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Verdadeira felicidade

Passo dias e noites pensando em um sentido maior para minha vida, ela é tão misteriosa, suprema e encantadora. Mas me sinto perdida em meio a esses dias de solidão, não podemos ser só alegrias há dias que a tristeza bate em nossa porta.

Complicado saber o que será de nós um dia, o que devemos fazer a cada dia para nos aproximar um pouco mais da felicidade e nossos sonhos, há tantos sentimentos sendo trocado por coisas sem importância, gostaria de entender melhor as pessoas.

Sinto-me perdida em um lugar que não é meu, quero tanto vencer na vida pelo amor, quero criar assas e voar pelo mundo, quero uma mão pra me tirar daqui. Preciso de um abraço!

Mas as dores passam tudo que é verdadeiro precisa de um tempo para se firmar, acredite bons tempos viram, e quando vierem ficaram e dor não mais existirá, pois você terá encontrado sua verdadeira felicidade.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Hora de tentar novamente...

Depois de tudo que passei, estou tão bem hoje, tão feliz, forte e recuperada... Só que estamos aqui para evoluir e os problemas ou aprendizados como prefiro ver não acabam, recomeçam a todo instante.

Estou caindo em um grande questionamento pessoal, hoje com um tapa de luvas acordei para minha nova realidade, estou muito bem emocionalmente, porém tenho me afastado de tudo que me ameaça a sair dessa zona de extremo conforto. E preciso tentar de novo!

É muito fácil você querer tentar com outra pessoa quando ainda dói muito, pois tudo é mais fácil do que aquele terrível sentimento, só que ninguém consegue correr com feridas ainda abertas e não dá certo estamos horríveis energeticamente, você para e nada mudou tudo continua a mesma coisa.

Mas quando você passa por uma dor suas feridas demoram a cicatrizar, e quando você vê que elas estão devidamente curadas, está tudo equilibrado então é difícil se expor ao risco de surgirem novas feridas, novas cicatrizes, mas também está mais suscetível a dar certo, pois vai saber se entregar sua energia está atrativa, não vai cometer os erros passados e você poderá até voar de tão leve que se encontra.

Não tem erro, está na hora de sair de minha área de conforto e tentar correr para ao encontro de minha felicidade, se eu me cortar no caminho com espinhos, escaladas e quedas ao menos vou aprender novamente e estarei caminhando em busca de meus sonhos e ninguém erra quando bota tudo em risco por eles, pois sonhos são filhos da alma e por nossos filhos somos capazes de tudo, até de colocar nosso coração em uma nova batalha.

-FAS-

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

O casamento na visão espírita

Na Inglaterra da Idade Média, a rainha Vitória nem poderia prever que seus atos repercutiriam tanto e se tornariam uma tradição. O que teria feito Sua Majestade? tomou atitude muito simples: decidiu se casar de véu - naquela época, os soberanos jamais se cobriam para poder comprovar sua identidade -, com flores no cabelo e um vestido branco. A cena parece familiar?
O casamento como se conhece nos dias atuais, é muito mais antigo que a rainha Vitória. Seu ritual iniciava na Roma Antiga, quando era possível encontrar registros de que as mulheres se vestiam adequadamente para a ocasião. Porém, a união de um casal, na visão espírita, vai além de uma cerimônia, com seus festejos e vestimentas.
Existe ritual de casamento para a doutrina espírita? “Não”, diz o procurador do Estado do Paraná, Joel Samways Neto. “De todas as descrições feitas pelos espíritos sobre casamento, não há menção a ritual de casamento espírita”.
Então, os espíritas não casam? “Casam!
A diferença é que não temos o ritual religioso. O casamento tradicional, independentemente da religião é um ritual. E como não temos rituais, não há uma cerimônia religiosa em um casamento entre espíritas”, afirma o professor e coordenador de grupos de estudos espíritas Paulo Henrique Wedderhoff. Na realidade, o que importa são as intenções pelas quais o casal decidiu se unir. E aí, deve-se colocar em foco o que seria um princípio básico do Espiritismo: o amor.
Fatores de união
A pedagoga Maria Aparecida e seu marido, o advogado Everton Ribeiro, acreditam que muitos fatores devem existir para a união de um casal, mas “todos eles pouco valem se o casamento não estiver fundamentado na maior das leis, que é a lei universal do amor, vivenciado na mais pura de suas definições”. Para eles, quando há esse sentimento, as consequências são “no mínimo, boas”.
Segundo Samways, quando a pessoa encontra outra com quem se assemelha, ela se potencializa, ou seja, se torna mais feliz, confiante e protegida. Casados há 33 anos, Maria Aparecida e Everton concordam: “a forma de se relacionar com a sociedade mudou, a relação com os amigos mudou, a possibilidade da paternidade estimulou e mudou a visão de uma nova trilha a ser seguida”. Eles comentam que, entre outras coisas, também deve haver ética, respeito e companheirismo.
Entretanto, há uniões que se tornam instáveis. Em seu livre-arbítrio – que é outro dos princípios básicos da Doutrina Espírita – , muitos casais optam pela separação. E, apesar de a doutrina ser divorcista (“...é uma lei humana que tem por objetivo separar legalmente o que, de fato, já está separado. O divórcio não contraria a Lei de Deus, uma vez que apenas corrige o que os homens fizeram...” Evangelho Segundo o Espiritismo), Samways acredita que o cidadão que possui caráter, reflete duas vezes antes de se divorciar e, até mesmo, antes de se comprometer.
Em mensagem escrita na obra “Como um homem pode enfrentar uma crise”, o espírito Leocádio José Correia diz que “A interação humana significa sempre entendimento e nunca confronto”.
Reflexão atual
Wedderhoff faz uma reflexão a respeito das vidas conjugais nos dias de hoje. “Será que as uniões que têm maior chance de sucesso não são aquelas em que o cônjuge casa para fazer feliz a pessoa que ama? Quando os cônjuges pensarem assim, será muito difícil a união se desfazer”.
Relacionamentos conjugais são edificações que devemos realizar todos os dias. “Casar é se comprometer com a felicidade de quem a gente ama”, diz o professor. E este pensamento é coerente com algumas observações trazidas pelo espírito Leocádio José Correia; segundo ele, “casamento é renúncia”, o que não significa peso ou desgaste quando se tem amor pela outra pessoa.
De acordo com “O Livro dos Espíritos”, o casamento é um dos instrumentos para a evolução humana. “O casamento, ou a união permanente de dois seres, é contrária à lei natural? É um progresso na marcha da humanidade” (Capítulo 4 – Lei da Reprodução). No Evangelho, também é enfatizada a idéia do ser humano constituir uma família para o seu próprio progresso. Porém, viver com outra pessoa não é uma obrigação; é uma escolha.
Em suas palestras, o espírito Leocádio José Correia alerta que nenhuma pessoa é obrigada a se casar. Ele cita ainda que muitos de nós escolhem “se casar” com a Medicina, com a Educação, com a Ciência ou com os projetos sociais. São caminhos diferentes, mas que igualmente proporcionam oportunidade evolutiva ao espírito durante sua trajetória na Terra.
União comemorada
O fato de a doutrina não registrar os rituais de casamento não impede que os noivos comemorem sua união. Paulo Wedderhoff cita um exemplo de comemoração simples e simbólica a que compareceu. “Recentemente um casal de espíritas decidiu revelar sua decisão de compartilhar a vida a dois. Num dia foram ao cartório e no outro receberam alguns amigos e parentes para anunciar sua decisão e dividir a alegria. O noivo e o pai da noiva quiseram manifestar o sentimento de contentamento; um amigo do casal falou sobre o significado do casamento para a Doutrina Espírita. Ao final, um belo beijo nos fez testemunhas de um lindo momento”, conta.
“A simpatia que atrai um espírito ao outro é o resultado da perfeita concordância de suas tendências, de seus instintos; se um tivesse que completar o outro, perderia a sua individualidade”, está escrito em O Livro dos Espíritos – Capítulo 6, Vida Espírita. Nessa citação é possível desmistificar o termo comumente conhecido como “alma gêmea”.
Samways lembra que não existem espíritos iguais. O que ocorre com a maioria das pessoas é a semelhança, as chamadas “afinidades”. Por isso, é possível ter afinidades também com amigos e parentes. Na opinião do procurador, “nós só convivemos bem com quem se parece conosco”.
A rainha Vitória, personagem da História que iniciou a reportagem, causou repercussão em sua época não só por ter introduzido hábitos, mas principalmente porque foi uma das poucas soberanas que se casou por amor. Fato também inusitado para a época, pediu a mão do seu primo, o príncipe Albert de Saxe-Cobourg-Gotha, em casamento.
Jaqueline Silva

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

;D

Já não consigo viver de migalhas, já cresci o bastante para segurar os sentimentos pela ilusão, já não sou aquela menina medrosa, já não tenho paciência para esperar se você deseja abraçar o mundo ou viver na sua própria trilha.
Sabe que desejo? Alguém que me faça voar, que me faça perder o sono, que me surpreenda a cada dia e a cada noite, que mostre o quanto sou importante pra ela, que consiga ser mais pertinente que eu, que me faça ter coragem de dar passos mais largos todos os dias. Pois eu já sou auto-suficiente ao bastante, já vivo de grandes realidades, já sou aquela mulher ousada, porque na verdade ultimamente o mundo já está de braços abertos para minha chegada.
- FAS -