Escrevendo Textos...: Março 2009

quarta-feira, 25 de março de 2009

Estamos com fome de amor

Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: "Digam o que disserem, o mal do século é a solidão". Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. Parem pra notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias.
Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas. E saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos.
Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos "personal dance", incrível. E não é só sexo não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvida?Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormir abraçados, sabe, essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.
Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção. Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós.
Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de relacionamentos Orkut, o número que comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra ser sozinho!".
Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis.Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos.
Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa. Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, démodé, brega.
Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados, e daí? Seja ridículo, não seja frustrado, "pague mico", saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta.
Mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois.
Quem disse que ser adulto é ser ranzinza? Um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele. Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: "vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida".
Antes idiota que infeliz!
- Arnaldo Jabor -

segunda-feira, 16 de março de 2009

Anjo do Amor

Anjo do Amor,
 
Tu que é o Anjo do Amor
e que transmites a tranquilidade,
a honestidade e a bondade,
Atrai o verdadeiro amor e a felicidade
para a minha vida.
e envolve-me com a tua luz divina.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Eterna Busca

Aprenda a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. 
A idade vai chegando e, com o passar do tempo, nossas prioridades na vida vão mudando. A vida profissional, a monografia de final de curso, as contas a pagar. 
Mas uma coisa parece estar sempre presente: A busca pela felicidade com o amor da sua vida. 
Desde pequenas ficamos nos perguntando "quando será que vai chegar?" e a cada nova paquera, vez ou outra nos pegamos na dúvida "será que é ele?". 
Como diz o meu pai: "nessa idade tudo é definitivo", pelo menos a gente achava que era. Cada namorado era o novo homem da sua vida. 
Faziam planos, escolhiam o nome dos filhos, o lugar da lua-de-mel e, de repente... PLAFT! Como num passe de mágica ele desaparecia, fazendo criar mais expectativas a respeito "do próximo". Você percebe que cair na guerra quando se termina um namoro é muito natural, mas que já não dura mais de três meses. 
Agora, você procura melhor e começa a ser mais seletiva. Procura um cara formado, trabalhador, bem resolvido, inteligente, com aquele "papo" que a deixa sentada no bar o resto da noite. 
Você procura por alguém que cuide de você quando está doente, que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua avó, que jogue "imagem e ação" e se divirta como uma criança, que sorria de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short, camiseta e chinelo. 
A liberdade, ficar sem compromisso, sair sem dar satisfação já não tem o mesmo valor que tinha antes. A gente inventa um monte de desculpas esfarrapadas, mas continuamos com a procura incessante por uma pessoa legal, que nos complete e vice-versa. 
Enquanto tivermos maquiagem e perfume, vamos à luta...e haja dinheiro para manter a presença em todos os eventos da cidade: churrasco, festinhas, boates na quinta-feira. Sem falar na diversidade que vai do Forró ao Beatles. 
Mas o melhor dessa parte é se divertir com as amigas, rir até doer a barriga, fazer aqueles passinhos bregas de antigamente e curtir o som... 
Olhar para o teto, cantar bem alto aquela música que você a-d-o-r-a! Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.Percebe também que aquele cara que você ama (ou acha que ama), e que não quer nada com você, definitivamente não é o homem da sua vida. 
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você! 
-Mário Quintana-

quinta-feira, 12 de março de 2009

Cansei de ser solteira...

Ahh cansei de ser solteira e para completar tem minha mãe me enchendo o saco dizendo que "Você tem que arrumar um namorado!!", acho que tudo tem sua hora, não é assim que as coisas acontecem, de piscar os olhos e tudo estar como você queria.

Pior que acho que não tenho vocação nenhuma pra ser solteira, pois não gosto de ficar com qualquer um, e esse negocio de ficar cada dia com um acho pior ainda... Essa não seria eu!

Sabe, acho que mais me incomoda é que sou "cercada" de homens no meu dia-dia, logo de manhã vou para a academia, e como toda boa academia tem vários garotos "fortinhos" malhando, e lá gasto 2 horas do meu dia malhando muitoo, conversando com alguns deles e malhando muitoo também...

A noite vou para a faculdade que eu faço de analise e desenvolvimento de sistemas, e faculdade é igual a gatinhos... rsrsrsr! 

E na analise 90% dos alunos são do sexo masculino e na minha sala são 99%, pois sou a única menina de lá, eles me tratam super bem e se preocupam muito comigo, sempre estão se policiando pra não falarem besteiras demais na minha frente, pois quando junta uma rodinha de meninos, apenas um assunto é discutido... Sexo!

Por um lado esta sendo muito bom, pois estou começando a entender mais sobre esse universo masculino e por outro eu ando mais carente, querendo um namorado. 

Acho mesmo que tudo tem seu tempo ou eu sou feia, gorda e chata mesmo ou tenho uma falta de sorte o que é mais provável, porque toda vez que tenho alguém em mente, alguma coisa acontece, ou ele começa a namorar na outra semana ou minha amiga fica com ele...

Aii não agüento mais, porém não posso ficar lamentando o que não tenho, deixando que aproveitar o que tenho que é minha LIBERDADE!!!

sábado, 7 de março de 2009

Onde Deus está??

Ultimamente venho lendo um livro espírita chamado Amanha a Deus Pertence, que fala sobre um jovem que morreu após ser abandonado pela esposa em um acidente de carro, ele acreditava que ela era o grande amor de sua vida, mas pelo que estou lendo, cada um tem seu tempo e o amanha a Deus pertence...

O primeiro que eu li foi A crônica de um despertar que conta a história de um homem ligado aos seus bens matérias que após a morte descobre que não levamos nada pra o céu a não ser o bem que fazemos... Esse especialmente mexeu muito comigo, pois mudou um pouco minha visão sobre a vida, nós as vezes ficamos nos perguntamos os porquês que tanta coisa que acontece conosco e com o mundo e após ler esse livro, alguns desses são respondidos. 

 Oficialmente sou católica, mas não concordo com algumas atitudes da igreja católica, pois vejo na minha comunidade pessoas que participam assiduamente da igreja e quando saem dela são as que mais pecam, não quero julgar ninguém, mas acho que estou em duvida do que pensar sobre "minha igreja".

Já os evangélicos, eu admiro muito a fé que eles tem, mas acho também que são radicais demais, vejo pessoas que vivem pra igreja e acabam esquecendo as pessoas que realmente precisam como a sua família.

Os espíritas tem uma filosofia que me convencem, mas não senti "em casa" quando fui a um centro espírita.

 Enquanto tenho essa dúvida, faço de meu coração minha igreja, lá e só lá encontro Jesus quando preciso, as minhas leis são:

 "Fazem o bem, sem importar para quem...", "Ser uma pessoa agradável, humilde e honesta...", "Ser justa sempre...", "Amar todos que me cercam...", "Respeitar as escolhas do próximo..."  e "Não julgar as pessoas sem as conhecê-las...".

As vezes, sento em um alto de um morro ou debaixo de uma árvore e rezo, assim como Jesus fazia pra contar as suas parábolas ou dar seus sermões, e não há templo melhor do que aquele que o próprio Senhor criou.

Enfim, acho que não importa sua religião, mas a sua fé e a bondade de seu coração!!